Libertado da prisão na Argélia, cristão passa a ser perseguido na Tunísia

Libertado da prisão na Argélia, cristão passa a ser perseguido na Tunísia

  • Post author:
  • Post category:Notícias
Compartilhar

Depois de Slimane Bouhafs ter sido libertado da prisão em 2018, tendo cumprido quase dois anos por violar as leis de blasfémia da Argélia, Bouhafs foi viver para a Tunísia.

As ameaças à sua vida continuaram lá, e ele ficou preso no limbo legal – faltando ao casamento da filha na sexta-feira (2 de abril).

“A minha filha que me deu tanto, que sempre me apoiou, vai casar-se sem que eu possa estar ao seu lado”, disse Bouhafs em lágrimas na quinta-feira (1 de abril). “É uma dor muito grande que estou a sofrer.”

Inicialmente condenado a cinco anos de prisão em 2016 por mensagens que publicou no Facebook a favor do cristianismo, Bouhafs beneficiou dos esforços de defesa que chamaram a atenção internacional, tendo recebido um perdão presidencial parcial em 2017 que resultou na sua libertação em 1 de abril de 2018. Como muitos cristãos marcados como blasfemos do Islão, os seus problemas não terminaram com a sua libertação.

“Pessoas más ainda querem matar-me”, disse Bouhafs, ao Morning Star News. “Uma vez encontrei dois pneus do nosso carro esventrados com uma faca. Estava a receber telefonemas ameaçadores. Registei os números e apresentei queixa, mas o procurador não se importou.

Com medo, decidiu pedir asilo na Tunísia, uma vez que a obtenção de um visto para a Europa ou para a América do Norte era impossível. Ele chegou à Tunísia em outubro de 2018 – onde tem sido ameaçado repetidamente por telefone e nas redes sociais, disse.

“Uma vez, três pessoas numa moto me agrediram no meio da rua, em frente a uma multidão de pessoas que iam e vinham”, disse Bouhafs. “Pediram os meus papéis com ameaças. Dei-lhes os meus papéis e disse-lhes que era um refugiado. Depois de dar uma olhada, entregaram-me. Foi então que me insultaram e me ameaçaram sem que ninguém interviesse.”

Um dos homens tinha sotaque argelino.

“Fui direto à esquadra para apresentar queixa. Infelizmente, na esquadra fui mais maltratado”, disse Bouhafs ao Morning Star News. “Depois de encontrar artigos no Google e descobrir que sou cristão e que tinha estado na prisão acusado de minar o Islão, os agentes me insultaram e maltrataram. Eu tive que abandonar o local esquecendo a queixa.

Bouhaf é pai de três filhos, um filho de 30 anos e duas filhas, de 28 e 19 anos.

A filha mais velha de Hiw, Thilleli, recordou o problema que a conversão do pai em 1999 trouxe para a família.

“A minha mãe é muçulmana, mas sofreu muito por causa da conversão do meu pai”, disse Thilleli ao Morning Star News. “Foi ameaçado por várias pessoas. Uma vez foi agredido por um indivíduo com uma faca, em 2003. O caso demorou vários anos em tribunal, mas sem resultados positivos. Até o juiz de instrução maltratou o meu pai em todas as audiências.”

Um grupo de muçulmanos na sua aldeia começou a falar em matá-lo por abandonar o Islão, disse ela.

“A nossa família estava totalmente isolada; depois disso, fomos forçados a fugir para nos instalarmos na cidade, em Béjaia”, disse Thilleli. “Durou três anos.”

A viagem de Bouhafs à fé em Cristo começou por cuidar de um terrorista, disse ele.

Alistou-se na polícia em 1990, pouco antes do início da guerra civil entre o governo e os rebeldes islâmicos, a “Década Negra” da Argélia (1991-2002), com as principais estimativas de mortes a atingirem os 260.000.

“Amava o meu país e queria lutar contra o terrorismo para salvar o meu país”, disse Bouhafs. “Em 1994, prendemos um terrorista islâmico de quem tomei conta, tratando-o e alimentando-o porque senti pena dele na altura.”

O seu encontro com o prisioneiro muçulmano levou-o a questionar o Islão, disse.

“As minhas conversas com esta pessoa mudaram a minha vida e as minhas convicções como muçulmano que eu era”, disse. “O que eu vi e ouvi desta pessoa, somado com todas as vítimas chacinadas, queimadas e mortas pelos terroristas, me levaram a deixar esta religião. Desde então, já não queria o islão, ou melhor, o islamismo.”

Em 1998 acompanhou um amigo à casa de um padre católico romano em Béjaia, que lhe forneceu livros contendo testemunhos de pessoas que tinham encontrado Cristo. Mais tarde, Bouhafs obteve uma Bíblia, e os seus estudos levaram-no a depositar a sua fé em Cristo em 1999 e a encontrar companheirismo numa igreja protestante, disse ele.

“A minha alma finalmente encontrou a paz que tanto ansiava, mas ao mesmo tempo uma tempestade irrompeu contra mim”, disse Bouhafs ao Morning Star News. “Toda a sociedade em que vivi subitamente se ergueu contra mim.”

Recebeu todo o tipo de insultos e ameaças de morte, disse.

“Fui perseguido por todos os lados; Sentia-me indesejado em todo o lado”, disse. “Não só eu, mas até os meus filhos e a minha mulher tiveram de suportar perseguições, apesar de não se terem juntado a mim na minha fé cristã. Mas a estas dores foi acrescentada a alegria de ver muitas pessoas da região concordarem em seguir-me para se tornarem cristãos. Para mim, foi uma grande vitória.”

As pressões quase levaram ao fim do seu casamento, disse.

“Por causa da minha fé, a minha pobre esposa sofreu”, disse Bouhafs. “Fui à estação da polícia em Bou Salem em várias ocasiões para apresentar uma queixa contra todos estes ataques, mas a polícia não respondeu. Não fizeram nada.”

Foi detido a 31 de julho de 2016, num café pela polícia à paisana, e só foi interrogado no bairro Bou Salem, da brigada da gendarmerie, a 15 quilómetros de sua casa, disse a sua filha.

Os agentes levaram-no para o Tribunal de Justiça de Beni-Ourtilène, onde foi julgado e condenado, essencialmente em segredo e sem advogado, e depois levado para a prisão em Setif. Foi condenado a cinco anos de prisão e a uma multa de 100.000 dinares (650 dólares) por publicações no Facebook consideradas blasfémias para o Islão e Maomé.

“O meu pai disse-me que aquele dia foi o dia mais longo e doloroso da sua vida”, disse Thilleli ao Morning Star News.

Bouhafs acrescentou: “Quando estava na prisão, sofri muito. Cheguei perto da morte depois de ter sido envenenado. Sofri duplamente da minha doença e stress.”

A Liga Argelina para os Direitos Humanos (LADDH) defendeu a sua libertação com o argumento de que tinha apenas expressado a sua opinião de preferência por outro tipo de culto religioso, observando que a Constituição argelina reconhece a liberdade de culto. O seu advogado exigiu que as acusações fossem retiradas com base “nas irregularidades e defeitos formais observados durante a sua detenção e, em seguida, do seu julgamento em primeira instância, em 31 de julho de 2016, no tribunal de Beni Ouartilane”, entretanto, a sua pena foi reduzida em dois anos apenas por “circunstâncias atenuantes”.

Laddh defendeu um perdão presidencial com base na má saúde de Bouhaf, e o perdão parcial concedido em 4 de julho de 2017 reduziu ainda mais a sua pena, de modo a cumprir menos de dois anos.

Desde que deixou a Argélia, um ano depois, Bouhafs espera há mais de dois anos por um país de refúgio que abra as suas portas a ele e à sua família.

“Honestamente, estou preso – estou tão assustado aqui como na Argélia”, disse Bouhafs. “Estou tão ameaçado aqui como no meu país.”

Motivos de Oração:
Ore por Slimane Bouhafs e pela sua família, para que sejam recebidos num país de refúgio e possam viver livre da perseguição.

Ore para que a família de Bouhafs também encontre a paz escondida em Cristo Jesus.

Ore pelos líderes da Argélia e países com governos muçulmanos, para que sejam justos e promovam a liberdade religiosa nos seus paises.

Fonte: VDM, Morning Star News