China Obriga Cristãos a trocarem Versículos por Fotos do Presidente

Milhares de cristãos numa aldeia pobre da China foram convidados a substituírem os cartazes sobre Jesus Cristo e outros ícones religiosos - como cruzes, por exemplo - que estão expostos nas suas casas por fotografias (cartazes) do presidente chinês Xi Jinping. Caso eles se recusem a fazê-lo, perderão a ajuda que o governo envia para apoiar os necessitados da região. O jornal 'South China Morning Post' informou que os cristãos na cidade de Yugan, na província de Jiangxi, foram obrigados a fazerem isso, como parte de um programa de assistência social do governo local, que visa "transformar cristãos [e pessoas que confessem qualquer outra fé] em adoradores do Partido Comunista". Qi Yan, presidente do congresso do povo de Huangjinbu, explicou a iniciativa do governo: "Muitas famílias pobres mergulharam na pobreza por causa da doença na família. Alguns recorriam a acreditar em Jesus para curar as suas doenças". "Mas nós tentamos dizer-lhes que ficar doente é uma coisa física e que as pessoas que realmente podem ajudá-los são o Partido Comunista e o presidente Xi", acrescentou. "Muitas pessoas das zonas rurais são ignorantes. Pensam que Deus é o seu salvador... Depois do trabalho de exposição dos nossos quadros, eles perceberão os seus erros e pensarão: não devemos confiar mais em Jesus, mas somente no Partido Comunista, que irá nos ajudar". De acordo com um relatório local das redes sociais, o município de Huangjinbu distribuiu mais de 1.000 cartazes de Xi, e várias famílias acabaram por colocarem os cartazes nas suas casas. Um relatório do governo classificou a 'aceitação' das famílias como uma conquista, afirmando que os oficiais "derreteram o gelo duro daqueles corações" e "os fizeram deixar de acreditar na religião para acreditar no partido", disse o relatório. Mais de 600 aldeões "voluntariamente" se livraram dos quadros e cartazes com textos e pinturas religiosas que tinham nas suas casas e os substituíram por 453 cartazes de Xi, afirmou o relatório. Um residente de outro município em Yugan revelou que as autoridades também estão a exigir que os crentes removam qualquer artefacto religioso das suas casas. "Algumas famílias colocaram versículos bíblicos na porta da frente das suas casas, durante o Ano Novo Lunar, alguns também penduram pinturas da cruz. Mas tudo isso foi removido", disse o residente. Apesar das reivindicações das autoridades, o cidadão disse que muitos crentes não acataram as ordens do Partido Comunista voluntariamente, como eles dizem. "Todos eles têm as suas crenças e, é claro, eles não queriam remover esses cartazes ou cruzes. Mas não há saída. Se eles não concordarem em fazê-lo, não receberão a sua cota de ajuda do governo", disse o homem. Sob o governo de Xi Jinping, o partido restringiu a liberdade religiosa em todo o país. No entanto, acredita-se que os cristãos na China agora superam o número os 90 milhões de membros do partido comunista. Somente a cidade de Huangjinbu é o lar de cerca de 5.000 a 6.000 famílias cristãs - o que é aproximadamente um terço do total da população municipal. A ordem de substituição ocorre apenas alguns meses depois que as autoridades da China pediram que as crianças fossem proibidas de se juntar a grupos religiosos ou participar de atividades religiosas. Motivos de Oração: Ore pelos cristãos na China, para que permaneçam firmes diante do aumento da perseguição por parte do governo. Ore para que haja uma pressão internacional sobre o governo chinês, para que pare com o aumento da perseguição cristã no seu país. Ore por estes irmãos que sofrem com a pobreza e que estão sujeitos a opressão do governo chinês para receberem a sua "cota" de ajuda de subsistência. Fonte: Gospel Herald/Guia-me Fotos: Pessoas passam por foto do presidente Xi-Jinping, exposta em rua da China. (Foto: Breitbart) Cristãos removem cartazes com cruzes e versículos para substituir por fotos do presidente comunista (Foto: South China Morning Post)

Ao assinar a nossa lista de contatos está a concordar com a nossa Política de Privacidade

© 2017 A Voz dos Mártires. Todos os direitos reservados.