TESTEMUNHOS DA IGREJA PERSEGUIDA

Pr. Xavier 

"Um Ministério em meio a ameaças

de morte"

OBEDECER AO CHAMADO DE DEUS

 

Começar uma nova igreja a partir do nada não é fácil. Mas é ainda mais difícil quando você tem que fazer isso em meio a ameaças de morte.

As ameaças de morte têm sido uma constante na vida ministerial de "Xavier Gonzalez", um plantador de igrejas que trabalha numa das regiões mais perigosas da Colômbia: uma área pobre e rural actualmente governada por paramilitares.

Antes de começar o seu ministério, Xavier tinha uma carreira de sucesso na radiodifusão. Mas em 2009, Deus o dirigiu para iniciar uma igreja numa das cidades mais pobres da Colômbia. Até os seus colegas de trabalho o advertiram, dizendo: "É um lugar violento. Há paramilitares lá, e eles vão matá-lo."

Mas Xavier não podia negar o chamado de Deus. "Deus me deu uma ordem e eu tenho que ir", disse ele. "Mesmo eu morra, por Jesus, eu irei."

Durante todos estes anos, desde que ele obedeceu ao chamado de Deus, Xavier diz que Deus o livrou de tudo. Ele foi ameaçado por guerrilheiros, paramilitares e até mesmo por gangues de rua. A sua esposa teve uma arma apontada na sua cabeça e viu os seus bens serem roubados, e os ladrões lhe disseram: "Se você nos ver novamente, finja que nunca nos viu antes. Se não, vamos matar você."

 

Perto do início do seu ministério, um guerrilheiro esquerdista disse-lhe a razão pela qual os grupos armados que lutam contra o governo odeiam os cristãos. O homem disse a Xavier, "O meu chefe odeia os cristãos porque os cristãos fazem as pessoas não querem juntar-se a nossa causa".

Embora Xavier e a sua igreja com cerca de 130 cristãos vivam debaixo de uma grande opressão, eles escolheram oferecer amor aos seus inimigos. "Pregamos sobre o amor e perdoamos os outros, mesmo que eles não queiram perdão. Eles não querem que isso seja pregado... [mas] nós os tratamos bem. Nós lhes damos comida, sumos e os servimos da melhor maneira que pudermos", disse Xavier.

Embora as ameaças sejam constantes, as acções dos cristãos estão a fazer a diferença. 

 

Um crente foi convocado para encontrar-se com os paramilitares, o que quase sempre significa morte. Ele disse adeus para a sua esposa, e a igreja começou a orar por ele.

Quando chegou ao campo paramilitar, no alto da floresta, foi recebido por uma mulher alta e negra. Ele apertou sua mão firmemente para mostrar que não estava com medo. -Como posso ajudá-la? - perguntou à mulher.

Ela ficou surpresa. "O que você está a dizer? Todo mundo que vem aqui precisa de algo de mim.

"Eu posso ajudá-la", disse ele, "porque eu tenho Deus e você não. Eu sei que Deus pode fazer grandes coisas na sua vida."

A mulher começou a chorar. "É por isso que eu chamei você aqui", disse ela. 

 

Ela revelou que tinha cancro e pediu oração. O homem cristão orou por ela e voltou para a sua casa. Três meses depois, a mulher paramilitar o chamou para lhe dizer que o câncer havia desaparecido.

A força destes testemunhos e interacções dos membros da igreja com a população deu a Xavier e aos outros crentes um certo respeito na comunidade, mas o perigo permanece constante. 

 

Embora as notícias recentes da Colômbia sejam sobre um processo de paz entre o governo e os rebeldes, na área onde Xavier vive, nada mudou. "Na nossa região, tudo o que fizeram foram colocar um uniforme à distância", disse ele. "Mas ainda há armas e ainda estão existem muitas ameaças".

A sua esperança não está num processo de paz negociado pelo governo. "Estamos a colocar as nossas esperanças na paz duradoura que só Deus pode dar", disse ele.

O pedido de Xaveir aos seus irmãos e irmãs é de oração pela protecção. Ele disse que a oração lhes permitirá continuar a pregar, a crescer e a superar todas as dificuldades. "Cada ameaça que recebemos é um desafio, porque queremos conquistar essas pessoas para o Senhor. Isso é tudo o que desejamos."

Ao assinar a nossa lista de contatos está a concordar com a nossa Política de Privacidade

© 2017 A Voz dos Mártires. Todos os direitos reservados.