Crianças de

CORAGEM

e

SAIDAH

"Rejeitada pelo Pai"

O pai de Saidah Naigaga levou-a junto com a irmã mais velha para casa e com a porta fechada começou a espancá-las com um bastão.

 

Enquanto a irmã mais velha sangrava no chão, Saidah de 12 anos gritava por ajuda. O pai tapou-lhe a boca com tanta força que ela quase morreu sufocada.

Saidah caiu no chão, inconsciente. "Eu sentia muita dor por todo corpo", recordou, "especialmente no meu rosto, que inchou. Nunca tinha sido tratada assim antes. Eu queria fugir, mas não para longe do meu Deus, que promete a vida eterna."


O pai de Saidah, é um muçulmano filho de um imam, ele não podia suportar o fato das suas filhas terem entregue as suas vidas a Cristo durante um evento evangelístico. 


Dois dias depois do espancamento, ele levou Saidah diante de um oficial do conselho local e a deserdou publicamente por deixar o Islão. A sua irmã de 15 anos, Jamirah Namugonya, foi autorizada a permanecer na casa, por razões que não são claras.


Em uma nota intitulada "confiando a minha filha Saidah Naigaga à Família do novo nascimento", o seu pai escreveu: "Eu não quero saber / ouvir mais a respeito dela porque ela confessou Cristo como o seu Salvador pessoal".

Saidah ficou devastada pelas atitudes do pai. "Eu sentia-me mal porque não sabia para onde estava a ir e ia perder os meus amigos, família, e também irmãos e irmãs do Islão", disse ela. "Eu não acreditava que ele estava a falar a sério sobre isso. Pensei que estivesse a tentar me intimidar, mas fiquei surpresa quando me deserdou e escreveu uma carta sobre isso."


Apesar do seu rosto inchado e coração partido, Saidah sabe que o que ela ganhou supera em muito a sua dor e perda. Ela ainda valoriza as palavras que ouviu do evangelista que a levou a Jesus. "Eu ouvi muitas palavras do pregador sobre o amor e sobre a vida eterna, especialmente quando o pregador falou que Jesus Cristo é o caminho, a verdade e a vida, e que não há ninguém que possa ir a Deus, senão por Ele", disse ela. "Isso tocou muito o meu coração. Eu tomei a decisão certa de seguir a Cristo, só não sabia as consequências que isso teria para mim."

Uma nova família
Embora cerca de 85% dos quase 34 milhões de pessoas da nação identificarem-se como cristãos, a história de Saidah não é única. Ela é apenas uma dos inúmeros jovens ugandeses que entregaram as suas vidas a Cristo para perder todo o resto.

A nova figura paterna de Saidah é Hassan Muwanguzi, que também é um cristão convertido do islamismo. O Pastor de Saidah mandou-a para ficar com ele para receber cuidados pessoais em um ambiente seguro.


Hassan já odiou os cristãos a ponto de agredi-los, mas um dia sentiu-se levado a participar de uma cruzada e entregou a sua vida a Cristo. Hassan também foi deserdado pela família, e enfrentou outras formas de perseguição. Um grupo de muçulmanos queimaram a sua casa e roubaram a sua terra, ele perdeu o emprego como professor, foi preso várias vezes e um parente envenenou o seu chá.


"Ainda hoje, os muçulmanos conspiram para matar-me", disse Hassan, "mas quanto mais eles fazem isso, mais o poder de Deus se aperfeiçoa em mim."


Durante uma das suas prisões, Hassan sentiu o chamado de Deus para criar um infantário para as crianças que se convertem do islamismo ao cristianismo, especialmente aquelas que são rejeitadas pelas suas famílias.

"Eu não tinha nenhum apoio, mas o Senhor falou comigo novamente para iniciar o infantário que Ele iria gerar os recursos necessários", disse Hassan. "Deus é Fiel e a escola esteve aberta por um ano. A vida não tem sido fácil para mim, ainda estou a orar para que Deus me cubra com a Sua sombra sempre".

A VdM tem procurado a melhor forma de apoiar Saidah, bem como as escolas de Hassan.

"Existem outras crianças que estão sob os cuidados de Hassan que também têm as suas histórias", disse um trabalhador da VdM. "Eles também foram repudiados. Alguns são muito mais jovens, mas aceitaram uma nova vida em Cristo".
   
Uma Nova Vida
Saidah disse que agora sente-se segura e está a ser muito bem tratada por Hassan. Ela também ganhou mais ousadia na fé.
"Eu fui salva e não tenho qualquer remorso ou desejo de voltar para o Islão", disse ela. "Cristo é o meu Senhor, estou a espera da Sua segunda vinda, para me levar para o céu. Nunca vou mudar a minha mente."


Saidah também ganhou um melhor entendimento sobre arrependimento e perdão, as diferenças entre ofertas e dízimos, e como caminhar com Deus através da oração. Ela continua a ganhar um sentido mais profundo do que significa seguir a Cristo.
"Nós gostamos de ler a Bíblia e agora, eu entendo o que estou a ler", disse ela. "No Islão, você não entende o que eles estão a dizer, mas você tem que obedece-los. Estou feliz de poder ler a Bíblia todos os dias."


Desde que foi deserdada pela sua família, Saidah não conseguiu mais comunicar-se com a sua irmã. Ela espera que Jamirah ainda esteja a seguir a Cristo e continua a orar por ela.


Saidah espera um dia ajudar outros cristãos perseguidos em Uganda. Mesmo com a idade de 12 anos, ela sabe que a perseguição é inevitável.
"Aprendi que a perseguição faz parte da vida do novo crente", disse ela, "precisamos suportar e orar por aqueles que nos perseguem, na verdade, é o que estou a fazer para perdoá-los."
A VdM tem apoiado muitos cristãos perseguidos em Uganda inclusive uma outra rapariga que assim como Saidah foi torturada pelo pai por causa da sua nova fé em Cristo. Conheça a sua história aqui.

UMA GRANDE FAMÍLIA

A Missão A Voz dos Mártires está empenhada em servir os mais jovens membros da nossa Família Perseguida pelo tempo que for necessário, até que eles tenham os meios suficientes para continuarem as suas vidas.


Nós convidamos você a considerar apoiar este Projecto com uma doação mensal, que permitirá à Voz dos Mártires responder às necessidades imediatas das crianças que são perseguidas por causa da sua fé em Cristo.