© 2017 A Voz dos Mártires. Todos os direitos reservados.

Ao assinar a nossa lista de contatos está a concordar com a nossa Política de Privacidade

Ex-terrorista se Converte a Cristo e diz: “Libertei-me das amarras espirituais que me prendiam ao Boko Haram.”

Enquanto crescia, Bahdri Diallo aprendia que o Islão era a única e verdadeira religião, e que o Cristianismo era uma mentira perigosa.

 

Na faculdade, Bahdri teve um novo colega de quarto - o primeiro cristão que ele conheceu. Quando conheceu o seu novo amigo, Bahdri começou a questionar o Islão e tudo o que ele havia aprendido sobre o cristianismo.

 

Certa noite Bahdri teve um sonho. "Eu vi um homem vestido de branco, que me disse:" Deixa o caminho que tu estás a seguir ", lembrou ele.

 

Depois de ouvir sobre os sonhos, o colega de quarto de Bahdri instou-o a visitar o seu pastor.

"Quando eu compartilhei os meus sonhos com o pregador, ele disse-me que poderia ser o próprio Jesus usando-os para trazer-me um aviso", disse ele. 

 

"Fiquei desconcertado. Como um profeta morto pode falar comigo num sonho?" Durante três semanas, Bahdri e o pastor tiveram conversas profundas sobre o cristianismo. "Em última análise, fiquei convencido de que a Bíblia era a Palavra de Deus", disse ele. "Fui batizado em segredo".

 

Quando a família de Bahdri descobriu que ele havia se convertido, o seu pai trancou-o numa adega e ameaçou matá-lo se ele não voltasse ao Islamismo dentro de duas semanas. Mas antes das duas semanas terminarem, uma irmã mais nova ajudou-o a escapar.

 

Eventualmente, ele conheceu um homem que se ofereceu para deixa-lo ficar com ele por alguns dias.

 

Forçado a matar
O homem que se ofereceu para ajudar Bahdri levou-o para vários edifícios numa área cercada. Uma vez dentro do complexo, Bahdri percebeu que ele havia sido enganado. Ele estava num campo de treinamento do Boko Haram.

 

Durante três anos, ele foi submetido a lavagem cerebral diária e sistemática, até mesmo perdendo a sua identidade. Ele descreveu a atmosfera como "aterradora" e cheia de "ódio". Os seus dias foram pontuados por leituras do Corão e treinamento terrorista, que visava diretamente prejudicar os cristãos.

 

Bahdri ficou deprimido. Ainda jovem na sua fé, ele começou a duvidar do cristianismo, pensando que Deus o abandonara.

 

À medida que a fé de Bahdri diminuía, as suas habilidades de tiro aumentavam. Ele amava o sentimento de poder que as armas lhe davam. Após três meses de treino, todos os combatentes receberam ordens para atacar cristãos nas aldeias próximas.

 

Embora ele não tenha tido prazer nos primeiros assassinatos, eles tornaram-se tão rotineiros que ele acabou por não sentir mais remorsos.

 

“Caí na ratoeira e fui traído por alguém em quem eu confiava. Tinha que matar pessoas para sobreviver. Se eu recusasse, morreria. Era matar ou morrer. No fim, estava a matar as pessoas como galinhas.”

 

“Eu era como um animal; só atuava perante uma ordem. Não conseguia pensar por mim próprio e os meus sentimentos estavam anestesiados. As pessoas gritavam e imploravam «Por favor, deixa-me viver!», mas eu continuava. Homens, mulheres, crianças – não fazia diferença. Todos os que eu via na minha mira, morriam. Estás a perceber… eles eram cristãos. Tinham de desaparecer; era o que nos era dito.” 

 

Lembrança da Inocência

Quando Bahdri estava no seu ponto mais baixo, Deus deu-lhe uma lembrança da jovem inocência do seu irmão. Um flashback da inocência do seu irmão mais novo reviveu a culpa e a angústia que estavam a consumir em silêncio o seu coração.

 

"Automaticamente, isso me fez lembrar das crianças da sua idade que eu assassinei", disse Bahdri. "Eu senti-me miserável. Eu odiava-me pelo que fiz".

 

Bahdri ansiosamente procurou uma oportunidade para deixar o Boko Haram, mas se fosse apanhado, ele sabia que seria morto. Uma noite, quando o exército nigeriano atacou e as bombas explodiram ao redor dele, Bahdri encontrou uma floresta próxima. Ele deitou fora a arma e as botas de combate, e foi para casa. 

 

Quando chegou em casa, Bahdri decidiu visitar o pastor que o levou a Cristo anos antes."Eu tinha desaparecido e fiquei longe por três anos, mas quando ele me viu novamente, ele abriu os braços para me abraçar", lembrou ele. "Coloquei a minha cabeça sobre ele e chorei lágrimas amargas. Ele não me fez perguntas. Eu só conseguia chorar".

 

Lágrimas amargas
Cinco anos depois de escapar do islamismo militante, Bahdri ainda está a superar a culpa através do sangue de Jesus.

 

"Eu luto com o meu passado", disse ele. "Senhor, perdoa-me! Eu desperdicei os melhores anos da minha vida no Boko Haram. Eu levei homens para assassinar e eu cometi assassinatos. Eu sinto-me tão horrível por ter feito isso. Ainda choro lágrimas amargas por causa desses pecados".

 

“Aos poucos, libertei-me das amarras espirituais que me prendiam ao Boko Haram.” diz.

 

Hoje ele aconselha jovens que fugiram do Boko Haram e os conduz em estudos bíblicos. O objetivo é ajudá-los a recuperar tudo o que lhes foi roubado.

 

Conheça a história completa de Bahdri e dos cristãos da Nigéria no Livro "O Califado Islâmico ou a Morte", da Voz dos Mártires Portugal.

 

Motivos de Oração:

  • Ore pela vida de Bahdri, para que ele possa aceitar o perdão de Cristo e crescer em intimidade com o Pai.

  • Ore pelos cristãos na Nigéria que estão a ser atacados e perseguidos pelo grupo terrorista Boko Haram.

  • Ore pelos jovens que são forçados a se tornarem militantes de grupos terroristas, para que encontrem o escape e sejam livres dessa opressão.

 

Fonte: A Voz dos Mártires - Extraído e editado do Livro O Califado Islâmico ou a Morte.

Please reload

Notícias mais Lidas

Missionária é assassinada na Indonésia

1/10
Please reload

Notícias Recentes
Please reload

Arquivo