© 2017 A Voz dos Mártires. Todos os direitos reservados.

Ao assinar a nossa lista de contatos está a concordar com a nossa Política de Privacidade

Turquia converteu a prisão do Pr. Andrew Brunson em regime de residência vigiada

 

A agência oficial turca Anadolu referiu que o pastor protestante norte-americano Andrew Brunson, detido há quase dois anos por acusações de "terrorismo e espionagem", foi colocado em prisão domiciliária enquanto prossegue o seu julgamento.

 

Brunson está detido desde outubro de 2016 e um tribunal de Izmir (oeste da Turquia) ordenou na semana passada que permanecesse em prisão preventiva durante a última audiência deste processo, num caso que agravou as relações entre Ancara e Washington, já muito tensas desde 2016.

 

Segundo a Anodolu, um tribunal converteu ontem (25) a prisão preventiva de Brunson em regime de residência vigiada, sem precisar se a medida já foi aplicada.

 

No imediato não foi revelado qualquer detalhe sobre a situação do pastor e o seu advogado, contactado pela agência noticiosa France-Presse, não conseguiu confirmar a informação.

 

O pastor evangélico é acusado pelas autoridades turcas de ter atuado em conivência com a rede do predicador Fethullah Gülen, que Ancara responsabiliza pelo fracassado golpe militar de julho de 2016, e ainda pelo ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK). As duas organizações são consideradas como terroristas por Ancara.

 

Instalado na Turquia desde há 20 anos, o pastor é também acusado de espionagem com objetivos políticos e militares.Brunson, que arrisca uma pena de 35 anos de prisão neste processo iniciado em 16 de abril, desmente categoricamente todas as acusações.

 

Este caso tem contribuído para agravar as relações entre os Estados Unidos e a Turquia na sequência de diversos diferendos, em particular o apoio norte-americano a uma milícia curda síria e a recusa de Washington em extraditar Gülen, que se autoexilou nos EUA em 1999.

 

Em setembro, Erdogan sugeriu a troca de Brunson pelo predicador Gülen, uma hipótese rejeitada por Washington.

 

Em audiências prévias, Brunson declarou que serve a Jesus e não tem envolvimento com movimentos políticos islâmicos. Após tentativas frustradas da Turquia em soltar Brunson em “troca” da deportação de Gullen, o presidente Donald Trump subiu o tom.


Através da sua conta no Twitter declarou que o pastor era uma “refém” do regime turco e que “não fez nada de errado”.


Contrariando os prognósticos anteriores, o tribunal de Izmir ordenou nesta quarta-feira que o Pastor Brunson deveria ser levado para prisão domiciliar. Ele usará uma pulseira electrónica e aguardará em casa o fim do processo.


Após o anúncio que o pastor ficará em prisão domiciliar, o secretário de Estado Mike Pompeo afirmou que “não é o suficiente” e reiterou que os EUA “pediram que as autoridades turcas resolvam o caso imediatamente, de uma maneira transparente e justa”.


Pedidos de Oração:

  • Ore para que a fé do Pastor Brunson seja fortalecida;

  • Ore pela sua família para que não desanimem mas creiam que a Glória de Deus será revelada através do testemunho do Pastor Brunson;

  • Ore para que o pastor seja libertado completamente e para que as falsas acusações contra ele sejam esclarecidas;

  • Ore pelo governo da Turquia para que Deus mova o coração dos seus líderes e para que eles sejam justos. 

 

Fonte: Christian Post/GospelPrime/DN
 

Please reload

Notícias mais Lidas

Missionária é assassinada na Indonésia

1/10
Please reload

Notícias Recentes
Please reload

Arquivo