© 2017 A Voz dos Mártires. Todos os direitos reservados.

Ao assinar a nossa lista de contatos está a concordar com a nossa Política de Privacidade

Asia Bibi está finalmente Livre para sair do Paquistão

 

 

A Voz dos Mártires Internacional aplaude a decisão do Supremo Tribunal do Paquistão de manter a absolvição de Asia Bibi por falsas acusações de blasfémia. A VdM alerta para uma possível reacção contrária de extremistas e pede ao Paquistão que proteja a sua minoria cristã.

 

"Estamos muito contentes que Supremo Tribunal tenha se mantido firme em relação à decisão corajosa e de princípio de anular as falsas acusações de blasfémia contra Asia Bibi", diz Paul Robinson, CEO da Voz dos Mártires do Reino Unido. "Qualquer outra decisão seria ceder ao extremismo e entregar o Paquistão ao governo da máfia."

 

A decisão, que encerra a provação de 10 anos de Ásia, foi tomada em meio a uma forte segurança. Isso significa que ela está agora livre para deixar o país e procurar asilo. Duas das suas filhas já estão no Canadá.

 

'Segurança'

Diz Paul Robinson: “O governo do Paquistão deve agora seguir o exemplo do Supremo Tribunal e fazer a coisa certa. O governo precisa:

  1. Garantir a segurança de Ásia

  2. Salvaguardar a minoria cristã contra as represálias da multidão, aumentando a segurança contra qualquer sugestão de tumultos e violência;

  3. Rever urgentemente o caso contra todos os outros prisioneiros que foram acusados ​​e presos por blasfémia.

Outros 200

'Parceiros liberais no Paquistão alertam que há 218 outros cristãos que ainda enfrentam acusações de blasfémia - um número desproporcional de acusados. E quando são acusados, indivíduos, famílias e comunidades inteiras enfrentam a violência nas mãos de extremistas.

 

A Associação Cristã Paquistanesa Britânica acredita que nove entre dez paquistaneses ainda consideram Asia Bibi uma blasfema, fazendo dela um alvo para assassinato.

 

Paul Robinson acrescenta: “No caso Asia Bibi, o Supremo Tribunal revelou o que a Voz dos Mártires alerta há anos, que as acusações de blasfémia podem ser maliciosas e baseadas em mentiras, simplesmente para acertar as contas. Esses casos de blasfémia - e a própria lei da blasfémia - devem ser agora revistos.

 

Segundo a BBC, desde 1990, mais de 70 pessoas foram mortas por linchamentos após serem acusadas de blasfémia. E a Amnistia Internacional descreve um grande aumento nos casos de blasfémia desde os anos 80: “Segundo a Comissão Nacional de Justiça e Paz, um total de 633 muçulmanos, 494 ahmadis, 187 cristãos e 21 hindus foram acusados ​​sob várias disposições de ofensas relacionada à religião desde 1987.' Desde que esse número foi compilado, os parceiros da VdM colocam o número de cristãos em 218.

 

Influência islâmica

A influência dos partidos islâmicos no Paquistão está a crescer. Partidos islâmicos estão a pedir um maior rigor da Sharia (lei islâmica). No seu extremo, eles estão a fazer campanha por uma linha mais dura contra a blasfémia.

 

 

O Tehreek-e-Labbaik (TLP) está a pedir que blasfemos sejam mortos. Durante as eleições, o slogan do partido era "Morte aos blasfemadores".

 

Após a decisão inicial do Supremo Tribunal, os partidários da TLP inundaram as ruas em várias cidades pedindo que Asia Bibi fosse enforcada e que o governo fosse derrubado. Depois de um longo e tenso impasse, os líderes foram presos.

 

Os cartazes da TLP mostram "guerreiros sagrados" que assassinaram supostos blasfemadores. Entre eles estão Mumtaz Qadri, o guarda-costas que assassinou o governador do Punjab, Salman Taseer, depois que ele pediu a revogação das leis de blasfémia do país.

 

Em março de 2011, o único membro cristão do gabinete foi morto a tiros por apoiar o seu chamado para mudar as leis de blasfémia. O ministro das minorias, Shahbaz Bhatti, já havia recebido ameaças de morte por se manifestar. Até mesmo querer discutir as leis de blasfémia era, aparentemente, um ato de blasfémia.

 

O primeiro-ministro Imran Khan, desde então, aparentemente pregou as suas cores no mastro da lei de blasfémia. Ele disse: "Estamos de pé com o artigo 295-C e vamos defendê-lo."

 

295-C é a cláusula de blasfémia que determina a pena de morte para qualquer "imputação, sugestão ou insinuação" contra o profeta Maomé do islamismo.

 

Revogação

A Voz dos Mártires, que apoia cristãos perseguidos no Paquistão e em todo o mundo, há muito faz campanha pela revogação das leis de blasfémia. Essas leis são frequentemente usadas para atacar minorias e eliminar rivais.

 

São muito poucos os que são acusados ​​de blasfémia que podem viver em segurança, mesmo que sejam absolvidos. Extremistas islâmicos vêem como o seu dever religioso matá-los.

 

Os cristãos enfrentam perseguição no Paquistão de várias formas. Centenas de mulheres e meninas são raptadas a cada ano e muitas são forçadas a casar-se com homens muçulmanos.

 

Os cristãos são perseguidos por usar símbolos religiosos e foram alvos de terroristas do Estado Islâmico e do Talibã. O caso mais extremo foi o bombardeio em Lahore, na Páscoa de 2016, de uma área infantil, frequentada por cristãos.

 

A Voz dos Mártires está a treinar líderes cristãos no Paquistão e a ensinar os moradores a se manterem firmes contra a perseguição e a discriminação. A VdM também está a produzir e a distribuir programas de rádio e materiais de vídeo.

 

Através da sua rede internacional de missões, a Voz dos Mártires Internacional está presente em mais de 30 países em todo o mundo, apoiando pastores, prisioneiros cristãos e as suas famílias; fornecendo Bíblias e literatura cristã e trabalhando pela justiça.

 

Você pode apoiar os nossos irmãos perseguidos através dos vários projetos desenvolvidos pela Voz dos Mártires. 

 

 

 

Please reload

Notícias mais Lidas

Missionária é assassinada na Indonésia

1/10
Please reload

Notícias Recentes
Please reload

Arquivo