© 2017 A Voz dos Mártires. Todos os direitos reservados.

Ao assinar a nossa lista de contatos está a concordar com a nossa Política de Privacidade

«Teria morrido se Deus não tivesse me protegido» diz pastor após 2 anos preso na China

 

Preso há dois anos acusado pelas autoridades chinesas de supostamente “provocar problemas”, o pastor Zhou Dixian foi libertado, na sexta-feira passada (05), após cumprimento integral da sentença. O pastor conta que durante o período na prisão sofreu com maus-tratos e trabalhos forçados.


“Eu teria morrido de maus-tratos se Deus não tivesse me protegido e os irmãos e irmãs não tivessem orado por mim”, escreveu o pastor Zhou, numa carta aberta a 31 de Março, dizendo que ele finalmente conseguiu rever os  seus familiares e estava grato por aqueles que o apoiaram.


Na carta ele descreve o tratamento que recebeu das autoridades chinesas enquanto estava na prisão, incluindo ser forçado a dormir de lado, o que causava dores insuportáveis nos seus ombros e costas. Também foi forçado a trabalhar desde que acordava até ao se deitar, abrindo lulas na água salgada, o que causou infecções e a perda de unhas.

 

Zhou conta que quando pediu remédios para que ele pudesse ser tratado daquelas infecções, as autoridades o negaram e proibiram o seu filho de comprar os medicamentos de que ele precisava.


Ao sair da prisão, uma das primeiras coisas que o pastor Zhou Dixian fez, na mesma noite, foi viajar para Pequim para proteger os seus direitos e cultos numa igreja da capital.


Antes da sua prisão, Zhou fundou uma igreja que não estava registada no governo, uma acção que o seu filho acredita ter contribuído para que as autoridades o prendessem. Agora que foi libertado, o pastor quer reiniciar a sua igreja. A família diz estar preocupada que, por isso, o governo possa prendê-lo novamente.

 

Em novembro de 2012, as autoridades demoliram a casa de Zhou, onde ele vivia com a sua esposa, Li Yuzhen, e destruíram a sua quinta de maçãs. A polícia local recusou-se a assumir o caso, alegando que as acções vieram do governo, e assim Zhou precisou viajar a Pequim para relatar a questão aos funcionários superiores.


Durante as reuniões em Março de 2017 entre os dois principais órgãos da China, Zhou e Li foram presos e enviados de volta à sua cidade natal, onde ele recebeu uma pena de prisão de dois anos e um mês por "provocar problemas", e ela recebeu dois prazos de encarceramento de três anos e três meses. Li ainda se encontra na prisão de Jinan e está previsto sair em liberdade daqui a dois meses.

 

Pedidos de Oração:

  • Ore pelo Pastor Zhou Dixian para que Deus possa fortalecê-lo quer fisicamente como espiritualmente;

  • Ore por Li que ainda se encontra presa, para que Deus continue a protege-la e a capacita-la neste tempo tão difícil que está a enfrentar;

  • Ore pelas Igrejas na China e pelos seus líderes para que o Senhor continue a abençoar o trabalho que eles têm feito em propagar o Evangelho.

Fonte: China Aid/Guiame

Foto: Pastor Zhou Dixian mostra o certificado de libertação após sair de um centro de detenção chinês. (Foto: Reprodução/ChinaAid)

Tags:

Please reload

Notícias mais Lidas

Missionária é assassinada na Indonésia

1/10
Please reload

Notícias Recentes
Please reload

Arquivo